Artistas e ONG´s unidos pela TV Cultura

castelo-ra-tim-bum

Descobri a hashtag #EuQueroaCulturaViva e assisti nesta noite ao vídeo da campanha, que me causou alguma nostalgia e me fez pensar sobre a qualidade dos conteúdos a que tenho tido acesso, lembrando dos dias em que preferi “ligar na Cultura”, como escape a uma explosão de sensacionalismo. Achei pertinente reproduzir esta matéria da Meio & Mensagem:

———————-

Nesta segunda-feira, 10, às 9 horas, foi realizado um ato-show contra o “desmanche” da TV Cultura. O evento reuniu duplas sertanejas, ativistas de várias organizações, artistas, parlamentares, ex-funcionários e funcionários das emissoras de rádio e da TV Cultura. O manifesto foi parte da campanha “Eu Quero a TV Cultura Viva”, que conta com uma petição pública e apoio do elenco de apresentadores e artistas da emissora, que divulgaram nas redes sociais um vídeo em repúdio ao encerramento de vários programas.

A TV Cultura vem passando por uma série de dificuldades. Além de um corte grande de funcionários nos últimos meses, a receita publicitária da emissora foi reduzida em 20% em julho, segundo Marcos Mendonça, presidente da emissora, revelou em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo. O repasse de verbas pelo governo estadual para a Fundação Padre Anchieta, instituição mantenedora da TV Cultura, teve também uma redução em 20%, o que resultou em uma crise orçamentária. Ao Meio & Mensagem, a emissora afirmou que não existe situação de “desmanche” e sim um momento de crise.

Programas como Zoom, Cocoricó, Cartãozinho Verde, Mosaicos, Programa Novo, Pé na Rua, Turma da Cultura, Letra Livre, Entre Linhas, Vitrine, Teatro Ra-Tim-Bum e outros que foram encerrados são lembrados no vídeo manifesto apresentado por Luciano Amaral, conhecido pelos personagens Lucas Silva e Silva, do programa O Mundo da Lua, e Zeca, de Castelo Ra-Tim-Bum.

A petição pública fala sobre a “precarização da emissora”, que é um instrumento público de divulgação cultural. Outro ponto de preocupação é a retirada do sinal da TV Cultura de antenas parabólicas analógicas em março de 2015, o que exclui o acesso de 30 milhões de pessoas ao conteúdo veiculado no canal, segundo informações divulgadas na petição na plataforma Avaaz.

Assista ao vídeo:

O posicionamento da TV Cultura:

Ao Meio & Mensagem, a emissora se posicionou via comunicado:

Ganhadora de mais de 400 premiações nacionais e internacionais, a TV Cultura continua a produzir programas para os mais diversos públicos e a receber prêmios e indicações, como ao Prix Jeunesse Iberoamericano, pelo Quintal da Cultura, Que Monstro Te Mordeu? e Incluir Brincando. Em março, o canal conquistou ainda dois troféus do Prêmio APCA, pelo Quintal da Cultura e Um Pouquinho de Brasil, da Rádio Cultura FM. Além disso, a Cultura foi considerada a segunda emissora em qualidade de programação do mundo, atrás apenas da BBC.

Neste difícil momento enfrentado por todo o país, a TV Cultura, assim como milhares de outras empresas e instituições, têm se empenhado em atravessar a crise com o mínimo de danos possíveis. Infelizmente, a instituição teve que cortar gastos em diversos setores e serviços, incluindo o desligamento de 46 colaboradores, dos quais faziam parte as equipes do Viola, Minha Viola e Provocações, cujas reprises permanecem na grade.

Nas últimas semanas, muitas pessoas têm se manifestado, especialmente nas redes sociais, sobre a TV Cultura. Respeitamos todas as opiniões, porém, queremos esclarecer que não há desmonte ou terceirização da emissora. As ações de contenção não alteraram a programação da TV Cultura, que atualmente exibe uma grade diversificada e de qualidade. Atualmente, a emissora leva ao ar inúmeras atrações próprias, que são gravadas em seus estúdios, como Ensaio, Manos e Minas, Sr. Brasil, Quintal da Cultura, Roda Viva, Metrópolis, Cultura Livre, JC Debate, Cartão Verde, Matéria de Capa, Repórter Eco e Jornal da Cultura, além de novos programas como Persona em Foco, Roda Viva Internacional e Roda Viva Temático. Também gravou recentemente, na Sala São Paulo, o especial de 10 anos do Sr. Brasil e o tributo a Inezita Barroso. Além disso, dá prosseguimento a parcerias com produtoras e outras emissoras para que o público possa ter acesso aos mais diversos conteúdos produzidos no país.

 TV Cultura também ampliou sua presença no território nacional, nos últimos dois anos. O alcance da emissora teve crescimento de 80% e, atualmente, chega a 20 estados brasileiros. Já a cobertura nos municípios teve crescimento de 107%, alcançando 1757 cidades em junho de 2015. Em 2013, esse número não chegava a 850. Atualmente, 117 milhões de pessoas têm acesso à programação da TV Cultura em canal aberto. Há dois anos, o sinal era disponível para 68 milhões de habitantes.

Colocamo-nos à disposição para dialogar com o público que tanto prestigia e se preocupa com a emissora. Nosso objetivo é continuar a produzir programação de qualidade, que há 45 anos orgulha a todos os brasileiros.

Fonte: Meio & Mensagem